01/09/2017

Chico-espertos do Catrino


Lá vai um, lá vão dois,
três Chico-espertos a passar.
Um travou-te, outro tramou-te
e o outro está-te a roubar.

Já basta de Chico-espertos
são uma praga Nacional.
É urgente abrir a caça
ao infestante animal!
Discretos, como a carraça,
assumem muitos formatos,
e ao sair dos buracos
de todos fazem pirraça
por entre ardis e boatos.

Com pressa, a ziguezaguear
o esperto faz-se à estrada
a acelerar, prego a fundo,
não espera, que se enfada,
acha que é dono do mundo!
Mas caem luzes vermelhas,
ouvem-se os pneus a chiar.
“Estou rodeado de aselhas!”
- começa o Chico a gritar.

Lá vai um, lá vão dois,
três Chico-espertos a passar.
Um travou-te, outro tramou-te
e o outro está-te a roubar.

Autoditada na lábia
de uma moral muito dúbia,
o Chico adere ao partido
para cultivar “amizades”.
Depois aguarda o devido
curso, cargo ou facilidades.
Nascido de olho aberto
para a lei do menor esforço
desconhece o que é remorso.

Acha estranho que alguém
não faça o que mais convém
por ter noção da justiça.
- “Esse aí tem é preguiça”!
Porque ele está bem de manha,
da cobra até vende a banha!
Mas por entre os favorzinhos
e os malabares do umbigo,
não se lhe conta um amigo.

Lá vai um, lá vão dois,
Três Chico-espertos a passar.
Um travou-te, outro tramou-te
e o outro está-te a roubar.

Um gestorzinho ambicioso
perito da arte estatística
forjou um parecer danoso
sem se achar um vigarista.
Este esperto é perigoso,
faz dos números joguete
e distorce a realidade.
Mas desde que se abolete,
quem saberá a verdade?

Tiveste azar Chico-esperto,
alguém topou a tua mão.
“Os dados não batem certo!
Este gajo é um aldrabão!”
Podes ficar boquiaberto.
Nem todo o teu ar janota
as luvas ou o palavreado
ocultaram a batota.
Mereces estar enjaulado! 

Lá vai um, lá vão dois,
três Chico-espertos a passar.
Um travou-te, outro tramou-te
e o outro está-te a roubar.

25/06/2017

Lenga longa Summer Fest e a Balada do Fogo posto

Esta junção de textos foi escrita no final de agosto do ano passado, quando mais uma vez a minha Trêmoa esteve em perigo de arder e se safou por um triz... não a publiquei aqui nessa altura na esperança, sempre renovada, de que já não fosse necessário e de que este inverno fosse diferente, com modificações e políticas mais interventivas no terreno. 
Mas todos os anos a lenga-lenga de verão se repete... infelizmente este ano começou em Junho e foi mais trágica em mortes do que costuma ser. Infelizmente o tema dos incêndios e da falta de planeamento e ordenamento florestal continua a amedrontar-me. Infelizmente continuo a sentir-me revoltada com tanta inércia e dificuldade em implementar mudanças. 
Desta vez, pelo menos aparentemente, o acontecimento que despoletou a tragédia em Pedrógão Grande e depois em Góis foi natural... mas há outras causas. São conjunturais e estruturais e estão mais que identificadas sem que se consiga modificá-las há anos. Para quando dar a devida atenção, necessáriamente prática, ao reordenamento territorial e florestal? Para quando dar a devida atenção, necessáriamente de proximidade e de terreno, à prevenção de incêndios? As modificações climáticas não desaparecem quando chega o outono. A desertificação do interior e as mudanças nas atividades primárias não vão parar se fecharmos os olhos e assobiarmos para o lado. 
Este inverno foi particularmente seco, ainda estamos em Junho e o verão anuncia-se muito quente... é pois com o espírito alerta que endureço o coração, apreensivo, e me tento preparar mentalmente para os próximos meses...



Lenga longa Summer Fest
e a Balada do Fogo posto

“˗ A vida andava parada, lá onde ninguém a quer,
Qual Judas perdi as botas e abandonou-me a mulher.
Andava bem cabisbaixo sozinho a roçar o pasto
em terras abandonadas, que mais não tinha pró gasto.
Tratar de ovelhas e cabras, ir à lenha, um trabalhão,
por acidente a queimada escapou-se-me e fez clarão.
Vieram gentes aos gritos com as mangueiras na mão
e inaugurei uma moda, um Festival de Verão!”
Era uma vez um país
com incêndios no verão.
(2x)
E estava sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram os Voluntários
pra vir apagar o fogo. (2x)
Os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram a Aviação
prá ajudar os Voluntários.(2x)
Mas a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Encomendaram Estudos
prá ajudar à protecção. (2x)
Os Estudos falam de prevenção
nos campos agora abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

“˗ Vem comigo Aurora Ruiva ao Festival do Verão
que eu quero ver-te rosada no decorrer da estação.
Eu agarro no isqueiro e vou vingar-me afinal.
Vêm sirenes e bombeiros numa orquestra teatral.
Enchemos matos desertos com coros de aflitos
ouvimos estalar a terra por entre chamas e gritos.
Ai gosto tanto de vê-los com a mangueira na mão!
Vem comigo Aurora Ruiva ao Festival do Verão.”
Era uma vez um país
com incêndios no verão
e estava sempre a dizer:
É verão está tudo a arder!(2x)

Chamaram homens de lei
prá aplicar os Estudos. (2x)
E os homens criam várias Leis
mas a Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
e os campos estão abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram poderes locais
prá aplicar a nova Lei. (2x)
Mas muita floresta é privada
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
nos campos agora abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram Quadros de Apoio
para a rearborização. (2x)
E os Apoios vieram da Europa
e não foram bem fiscalizados
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
e os campos estão abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)
“- O cartaz já está fechado para o novo Summer Fest”
vira o disco e toca o mesmo, que todo o tema é silvestre.
Há giestais renovados, vento quente que assobia,
helicópteros e aviões dão mais ritmo à cantoria.
E a cada ano que passa vivo mais a adrenalina
pois se antes quis vingança agora acho que é sina.
Vem comigo Lua Nova ao Festival do meu Verão.
Ai gosto tanto de ver-te com a mangueira na mão!

Era uma vez um país
com incêndios no verão
e estava sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram os Sapadores
com ajuda dos Apoios.(2x)
E os Sapadores fazem prevenção
mas o financiamento é limitado
e os Apoios não são fiscalizados
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
e os campos estão abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram os Penalistas
pra punir incendiários.(2x)
E o fogo pode levar à prisão
mas ainda é um bom negócio
e os Sapadores foram limitados
e os Apoios não são fiscalizados
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
e os campos estão abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

“˗ Fui preso, saí a tempo de regressar ao trabalho,
angariei mais clientes, bulo por gosto e não falho.
E podem tentar parar-me, que pouco vai resultar,
se não for eu vai ser outro, é o dinheiro a mandar.
Mas vem comigo, amor novo, para mais um festival
De olhos raiados de fogo atiças-me ao matagal.
Tu agarras-te à mangueira e eu acendo o clarão.
Vem comigo Íris Chama ao Festival do meu Verão.”
Era uma vez um país
com incêndios no verão
e estava sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)

Chamaram a Administração
prá articular Institutos. (2x)
E o ICNF faz sensibilização
mas a execução é criticada
e o fogo pode levar à prisão
mas ainda é um bom negócio
e os Sapadores foram limitados
e os Apoios não são fiscalizados
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
e os campos estão abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder!
E depois pôs-se a gritar:
Quando é que isto vai mudar?

Levantou-se o Parlamento
prá acudir à voz do povo. (2x)
E o Parlamento ditou sugestões
diretamente para uma gaveta
e o ICNF faz sensibilização
mas a execução é criticada
e o fogo pode levar à prisão
mas ainda é um bom negócio
e os Sapadores foram limitados
e os Apoios não são fiscalizados
e não há um cadastro nacional
e as Leis não saem do papel
e os Estudos falam da prevenção
nos campos agora abandonados
 e a Aviação só faz combate
e as matas estão desordenadas
e os Voluntários apagam o fogo
e o fogo regressa no verão.
E o país sempre a dizer:
É verão está tudo a arder! (2x)
“˗ Voltámos ao mês de agosto, regressou a lenga-lenga,
O cuco não queria couves numa tarde solarenga,
E o país grita: Pára! Mas padece de molenga.
Vão bradar por comissões para repensar soluções
e esquecer-se de ir a campo executar convicções
porque em meados do ciclo se volta atrás em desnorte
que a lenga-lenga do cuco só terminou com a morte.
Vem comigo amiga Morte às plantações do carvão
É a tradição mais longa dos Festivais de Verão!

Agosto de 2016

17/08/2015

Desen...Canto


Canto o desencontro...
dos pés...
sustendo as pernas a passo,
tacteando as nervuras do chão,
e que alongados no espaço
me riscam a direcção.
E se de algum eu me esqueço,
para evitar um tropeço
contorcem-se sobre a calçada,
mantendo-me equilibrada.

Canto o desenlace
das mãos…
pelos braços articuladas
em volutas de afinidades
e que juntas ou separadas
gritam mil actividades.
Com punhos fechados, em força,
ou num gesto em que se torça,
desatam-me os nós com perícia
ou inventam-se uma carícia.

Canto o desembaraço
do tronco...
que a todos estrutura e une.
Por tractos ocultos reúne
alimento, asseio, respiração,
o estralar de um coração.
É ele que me curva e levanta,
que me define a postura,
soltando expressões na garganta
de vento vibrado em clausura.

Canto o desencadear
da mente…
que me extravasa a cabeça
atenta à multidão de sentidos.
Recolhe-os no mundo e alicerça
outros novos ou reconstruídos.
Muitas vezes não se cala
e mói-me o juízo, a despique.
Rodopia, a minha psique,
e é preciso acalmá-la.

Canto o desencosto
dos dias…
que quebraram o feitiço,
de uma dor firme, em tortura,
traçando pelo corpo o esquiço
das sendas para a sua cura.
Porque hoje há, em cada hora,
um riso que volta e comemora
a acção presente, incontida,
da energia pura, desen... vol... Vida.


08.2015

30/07/2015

Trovões de areia


O cliché das pegadas na areia rastreava um caminho displicente de fim de tarde, até à enchente sonora. Parou.
(...)
Se fechasse os olhos, ali, no meio da baía despovoada, ouvia as ondas na areia como trovões, a ecoar por todo o céu na terra. Uma trovoada sem relâmpagos que, no entanto, era possível imaginar e ver, raiados a branco com muitos braços, no escuro das pálpebras cerradas através das retinas queimadas do sol. Um trovão com início e um longo durante... de luzes a estremecer áreas distintas do nebuloso negrume, cujo fim se perdia por entre o troar de novos começos. Um céu inflamado e brusco, completamente ausente mas descido à terra pelas curvas ressoantes.
De olhos abertos podia conhecer-se o engano e perceber de onde eclodira a imaginação. O combate entre o sólido dunar e o líquido aquoso. De olhos abertos impunha-se a colisão de matérias que não eram apenas ar mas através do qual a mansa batalha se alargava a rugir, espraiada pelo longo comprimento da praia. Um som nascido de cada fragmento de onda perpétuo e cadenciado em ecos no anfiteatro terreno. A luz do sol espumada a branco nas orlas do azul e a transparência de orifícios sugando a água por entre os grãos de areia creme.

Naquela praia ampla, o som embateu na mulher despojada projectando interiores e exteriores diversos, plenos da paz e do tumulto nativos que ela própria continha. O pensamento e os sentidos cruzaram-se na contemplação natural, conectando o corpo e a mente, gratos por serem humanos e poderem ser tão felizes com a realidade como com a ficção.

Alvor, Junho ou Julho de 2015

09/11/2014

Fragmentos da Feminil... idade VI

Marés de escrita

Dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas,
dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas,
dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas.

Escorro-me do presente entre ondas e areias
mas só ao mar é permitido ir e vir perpetuamente.
Só a fonte da vida não tem de se explicar e
eu queria ser, mas não possuo, um mar.
Mesmo assim não posso evitá-lo...

Dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas,
dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas,
dissipo as dúvidas,
voltam-me as dúvidas.

Estou prenhe da consistência das marés.


09.11.2014 Coimbra

04/05/2012

Lusiadas contemporâneos


Concordo completamente com a ideia de uma nova Epopeia necessária, não só ao povo Luso mas a muitos outros do Ocidente e da Europa em particular. No entanto é desta língua, deste país rectângular e destes problemas concretos que estou mais próxima. Por isso, hoje depois de ter recebido este texto via Facebook, escrito pelo muito ilustre autor Luis Vaz sem Tostões, sito algures nas margens do Coura, quebro o hábito de só aqui colocar textos da minha brida e convido quem aqui venha a gozar os sorrisos e as raivas dos novos Lusiadas... possam as palavras inspirar os actos e transbordar das letras para a construção de novas Epopeias práticas :)

I

As sarnas de barões todos inchados
Eleitos pela plebe lusitana
Que agora se encontram instalados
Fazendo o que lhes dá na real gana
Nos seus poleiros bem engalanados,
Mais do que permite a decência humana,
Olvidam-se do quanto proclamaram
Em campanhas com que nos enganaram!

II

E também as jogadas habilidosas
Daqueles tais que foram dilatando
Contas bancárias ignominiosas,
Do Minho ao Algarve tudo devastando,
Guardam para si as coisas valiosas
Desprezam quem de fome vai chorando!
Gritando levarei, se tiver arte,
Esta falta de vergonha a toda a parte!

III

Falem da crise grega todo o ano!
E das aflições que à Europa deram;
Calem-se aqueles que por engano
Votaram no refugo que elegeram!
Que a mim mete-me nojo o peito ufano
De crápulas que só enriqueceram
Com a prática de trafulhice tanta
Que andarem à solta só me espanta.

 
IV

E vós, ninfas do Coura onde eu nado
Por quem sempre senti carinho ardente
Não me deixeis agora abandonado
E concedei engenho à minha mente,
De modo a que possa, convosco ao lado,
Desmascarar de forma eloquente
Aqueles que já têm no seu gene
A besta horrível do poder perene!

Luiz Vaz Sem Tostões





30/04/2012

Trunks of old and dark spirits II

Headbanging for thy obsession

The siren whispers…
and I don’t know why
does that song find warmth
into my mind.
It says that if I listen
and then I don’t forget
there’s quietness and bliss
that will surely set.
I feel that it is wrong but…
what should I do?
The lyrics and the promise
sound as if true.
So I care no more
for whom does it serve,
‘cause it fills the void
and it calms my nerves.

Oh song of faith, oh sing to me...
the utopia of the lands that I will see!
Where the wrongs were put right,
Where this Man won his fight,
raising back from the ruins of time!

But… the ashes,
only ashes, grey ashes.
There’s no Man to be seen
from out here!
Only ashes that fill everything…
There is no Man to rise,
and the song is demise
set to lure the obsessions within.

Oh song of Faith, oh sing no more!
Let me silent and quietly find shore…
'cause the wrongs creep back in
carving signs in my skin,
maps of old, where nothing can begin!

Checking sea, checking land!
- Laughs the siren!
She commands me to sing,
then I am She,
struggling with the obsessions
gone free!
And as soon as you do,
begin to sing her back,
the song works
and your mind starts to crack.
Piercing voice and aloud,
just by giggling in sway,
twisting off all your memories
on play and replay!

Oh Saint Obsession, 
then by banging my head,
I‘ll spill it out of music 
and finish it dead!

Coimbra, Jan/Abr 2012



24/06/2011

Rimas da Amora Simples


Se a memória da amora, não compensar
a do espinho,
Só a fome atreve a mão a fazer-se-lhe
ao caminho.

Na abundância da estufa impera o morango
a pacote.
Não há razões de ir à silva e arriscar-se
num corte.
Dali se alimentam pássaros; umas cansam-se
no chão.
Há uns radicais que as comem, em desportos
de verão.
As outras minguam sementes, esquecidas já
do sabor,
sem vantagens de mercado, que é quem Nos
Define o Valor.

Mas há quem guarde gatilhos, antigos, sem medo
aos espinhos,
e salive de amoras silvestres, mesmo que tenha...
mirtílos.


:)


Escrito hoje, mais um dia em que não comi amoras silvestres :)

11/06/2011

Lanternas

Não quero que desçam lanternas dos céus esta noite, aqui só!

Porque as lanternas garridas irrompem nos olhos adentro, e por rasgadas pupilas, cortinas abertas, desenham-me um nó.(Sob a luz, por sistema, sobressaem sintomas, maclados em cor).

Por isso, impeçam que desçam lanternas dos céus a alumiar, esta noite! Que o ventre quer ventre, voltar-se à escuridão, ser perene e gerar. De ausência de fora aconchega-se a funda imersão, em abraço. Um nicho aninhado de bicho, acossado e a catar-se o cansaço.

Não deixem que baixem lanternas dos céus, as estrelas, ou lua; que em mim dançaram demónios e agora, acalmados, ergo-me do chão. Vou ao escuro do ventre da terra, à mão do principio, banhar-me no nada. Que o nada estica-me o corpo nas cordas do ímpeto da transformação.

18.05.2011

18/05/2011

Fragmentos da Feminil... idade V

Colo


Perdi o meu colo... um dia partiu.

Mas todos disseram que era triste chorar.
Que era feio e rude mostrar a tristeza,
que assumir a fraqueza era de envergonhar.
Assim, cerrei os dentes e cravei-os nos lábios.
Aderi à turma dos senhores da certeza,
aprendida sisuda desses discursos sábios.
Se gritos me tive, não gemi de pudor;
Se o lábio sangrou, degluti p'ra nutrição;
Se lágrimas vieram, passei-as a secador;
Se a tristeza raiou, atirei-lhe uma canção.

Mas esquecida, nos aceiros do controlo da dor,
abateu-se-me exausta a matriz do coração!
(Esquecer é um sofisma de esforçada lentidão...)
Antes lutara em nascer, do que nesse controlar,
Porque hoje falta-me o colo
... e a ciência de sentar.


07.2010 (Concluído em 05.2011)

Ao Pai